Seguidores

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Agressão contra a mulher

Causa estranheza sentenças como a da lapidação, até a morte, para punir adultério de mulheres.É também de se estranhar a demora e dificuldades para se aplicar a lei 11.340, mais conhecida como Lei Maria da Penha. Pior ainda: o número de mulheres violentadas e até assassinadas não diminuiu. Há quem considere natural a violência doméstica contra mulheres. Outros consideram-na insolúvel. Somente após os calculos feito pelo governo que vê o gastos econômicos causados por essa modalidade de violência que de fato os governos passaram a buscar solução por meio de legislações punitivas e agora também preventivas.Alguns assassinatos publicados pela mídia têm merecido a atenção e os comentários de alguns.
Mais no entanto,não tem merecido a indignação seguida de ações concretas no sentido de se cobrar medidas corajosas para sua superação e punição para estas pessoas.Muitos naturalizam-se as ameaças,as ofensas,tanto quanto os espancamentos e até assassinatos quando as vítimas são mulheres ou enquanto não se chega ao homicídio,as violências ao extremo, mesmo resultando em lesões graves,os seus agressores não sofrem qualquer tipo de punição,e estas mesmas agressões seguiram sendo tratadas como de “menor poder ofensivo”.

Tirado de um atigo publicado pelo Governo que dizia : ’’O Poder Judiciário até recentemente continuou absolvendo os criminosos sob o argumento da “legítima defesa da honra”. Um juiz reiteradamente fez comentários depreciativos a cerca da referida lei. Foi punido.’’.Acredite se quiser que ele teve esta cara de pau de dizer isto.

Nossa como pode um juiz dizer isso,ele so pode ser um destes que gosta de espancar a mulher ou coisa e tal e um absurdo total,fazer este tipo de argumento em relação a tamanha brutalidade contra uma mulher,como pode um homem querer defender sua honra batendo em uma mulher,isso não tem nada de defende honra e sim admitir que ele e um monstro um bandido sem o menor escrúpulo.Ate quem fim se fez algo contra este juiz e ele foi meramente punido pelo seus superiores.Além disso, enfrentamos violências mais sutis como a mercadorização do corpo e da vida das mulheres, a imposição de padrões de beleza (magreza, seios enormes...) e de eterna juventude. A indústria da beleza tem escravizado parcela importante de mulheres que sucumbem à propaganda de cosméticos, de dietas irracionais, de intervenções cirúrgicas (ditas estéticas) desnecessárias e arriscadas. O desrespeito contra mulheres ocorre em todos os níveis, mesmo nas universidades.

Bom vamos la a um exemplo que aconteceu na Unesp (Universidade Estadual Paulista),durante um encontro esportivo entre os alunos da universidade,ocorreu o chamado “rodeio de gordas” uma atividade que podemos considera um crime contra a mulher um total desrespeito,este e um exemplo de preconceito e violência exacerbados contra a mulher ou ate mesmo contra a sociedade pois quem não duvida que os mesmo podem fazer o mesmo com outra pessoa aqui fora.


A violência contra as mulheres não será resolvida sem que as assimétricas e hierárquicas relações de gênero sejam superadas é preciso coragem para reconhecer o patriarcado como matriz da violência doméstica contra mulheres e também coragem para enfrentar os sutis mecanismos que mantêm e recriam o medo das mulheres,Enfim,esperamos que a Lei Maria da Penha seja respeitada e cumprida para que possamos evitar estes tipos de agressão contra a mulher pois estamos cansados de vê nos meios de comunicação que mais uma mulher foi agredida ou ate mesmo morta por alguém.


Nenhum comentário:

Postar um comentário